Loading...

Augusto Cesar

- Tenho MBA em Cerimonial e Protocolo em Eventos Institucionais; - Sou Chefe do Cerimonial da UFRA e da UEPA; - Sou professor da UEPA nas disciplinas Etiqueta e Planejamento, Organização e Execução de Cerimonial de Eventos; - Sou professor do IFPA-Bragança nas disciplinas Layout de Eventos, Etiqueta, Cerimonial e Protocolo, Captação e Patrocínio em Eventos; - Sou professor da ESAMAZ nas disciplinas Planejamento de Eventos I e II para o curso de Turismo; - Trabalhei no planejamento, organização, coordenação e execução das solenidades de transmissão de cargo dos governadores Almir Gabriel e Simão Jatene. - Trabalhei nas gestões dos governadores Almir Gabriel e Simão Jatene, no planejamento, organização, coordenação e execução das visitas dos presidentes Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e do Primeiro-Ministro de Portugal a época Mário Soares à quando de suas visitas protocolares ao Estado do Pará; - Trabalhei no planejamento, organização, coordenação e execução das solenidades de outorga da Medalha da “Ordem do Mérito Grão Pará”, na gestão do governador Almir Gabriel. - Treinei e implantei o cerimonial das prefeituras municipais de Canaã dos Carajás e Santarém, além de treinar e reciclar a equipe do cerimonial da Prefeitura Municipal de Belém; - Participei no planejamento, organização, coordenação e execução da inauguração dos principais logradouros da cidade e do seu entorno como as pontes que compõem a Alça Viária iniciando pela “Fernando Henrique Cardoso” e inauguração da 13ª turbina da Usina de Tucurui (as duas com a presença do presidente Fernando Henrique Cardoso), Inauguração da Orla do Maçarico (Salinas), Instituto de Segurança Pública do Estado (IESP) em Marituba, Obras da Macro-drenagem da Bacia do Una, Estádio Olímpico do Pará (Mangueirão), Estação das Docas, Parque da Residência, Instituto de Gemas São José Liberto, Terminal de Passageiros do Aeroporto Internacional de Belém, Complexo Feliz Luzitânia (Igreja de Santo Alexandre, Forte do Castelo e Casa das Onze Janelas), enquanto Chefe, Subchefe e Mestre de Cerimônias do Cerimonial da Governadoria do Estado nas gestões dos governadores Almir Gabriel e Simão Jatene. - Coordenei o cerimonial do “Jogo das Estrelas” com os Amigos do Ronaldinho Gaúcho, realizado em Belém em 2008, no Estádio Olímpico do Pará, com a presença de 35 mil pessoas; - Sou orientador de TCC e de artigos científicos do curso de MBA em Cerimonial, Protocolo e Eventos Institucionais.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

A IMPORTÂNCIA DO CERIMONIAL E DO CERIMONIALISTA

Com o objetivo de facilitar o convívio entre as pessoas em determinadas ocasiões e criar uma atmosfera agradável, o Cerimonial se estabeleceu em nossa sociedade como conseqüência natural da própria evolução humana. É nesta seara que o cerimonialista planta sua semente no trabalho diário de organizar, planejar, assessorar, executar solenidades, cerimônias, visitas, eventos.

É uma atividade gratificante, sem dúvida, mas que requer, principalmente, bom senso, planejamento, organização, vivacidade. Trabalha-se muito, sem feriados ou finais de semana, com horários rígidos para o início das atividades e sem a menor possibilidade de garantir quando serão encerrados os serviços.

Vocação. Não se pode esquecer esta palavra quando se exerce esta profissão. Sacerdócio – dirão outros. Com as duas, têm-se um grande profissional, com certeza. Não se pode esquecer isso nas tarefas do dia-a-dia, mesmo quando o tablado para ser montado chegar depois da entrada da autoridade principal do evento. Nestes momentos, o cerimonialista que exerce a profissão por vocação e faz do seu ofício um sacerdócio, terá jogo de cintura suficiente para resolver com maestria o problema.

Aliás, administrar problemas e vaidades é um dos ossos do ofício. Outro: acostumar-se com a antiga prática de se colocar a culpa no cerimonial em tudo que dá errado.

Ser cerimonialista requer doses diárias de preocupação com os detalhes. Cerimonial é a arte de descobrir a beleza que vem de dentro. Das coisas e das pessoas.

A profissão de cerimonialista é vista como uma profissão que tem glamour, porém inclui o conhecimento e aplicação de tantos detalhes que a tornam exaustiva. Exige raciocínio rápido e uma formação cultural sólida, com conhecimento e aplicação de outros idiomas e, principalmente, percepção para estabelecer respeito e criar um entendimento de consenso essencial.

A vida é feita de pequenos grandes detalhes. São esses preciosismos que fazem a diferença e marca, de forma indelével, a personalidade das pessoas e/ou contribuem na construção de imagens públicas, por um lado; por outro, distinguem posturas sociais e políticas de personagens e organizações em suas relações representativas, sejam elas agências governamentais ou corporações privadas. Daí a necessidade de atentar para uma perfeita elaboração de rituais de cerimoniais logísticos numa sociedade onde a imagem pública constitui um fator preponderante de prestígio, credibilidade e liderança. E o cerimonialista como não poderia deixar de ser é o profissional responsável por planejar soluções e executar ações voltadas ao encontro de aspirações políticas que contribuam na consolidação de cenários institucionais favoráveis, que permeiem intercâmbios variados ou fortaleçam processos interativos. Nesse sentido, o cerimonial passa a ser um elemento estratégico a serviço da construção e consolidação de imagens públicas, apoiadas na credibilidade e aceitação social das ações e realizações desenvolvidas.

Dúvidas que possam suscitar interpretações diferenciadas cabe, como determina esta lei, ao cerimonialista a decisão de se aplicar um dado procedimento. Isso quer dizer que em cerimonial não existem improvisações. O cerimonialista tem sempre a solução técnica, política e profissional que a solenidade requer. Ser profissional dessa atividade impõe, obrigatoriamente, o domínio de informações técnicas precisas, bom senso, sensibilidade política, nível cultural abrangente e segurança na condução da solenidade.

Pois é, cerimonialista é tudo isso. Não basta conhecer alguém que tem um "som", alguém que sabe cozinhar e nem juntar pessoas que tem alguma habilidade para que se autodenomine CERIMONIALISTA.

Relato um caso que aconteceu recente em nossa cidade de Belém do Pará. Um "cerimonialista" forçou tanto que conseguiu o contrato para fazer um baile para acadêmicos e se comprometeu a "fazer" a missa para os mesmos. Na hora, distribuiu os livros e determinou quem iria ler cada passagem. Detalhe: ele copiou o conteúdo de outro livro de outra faculdade e curso e quando os seus clientes foram fazer a leitura, verificaram que os nomes constantes no livro não eram os seus e que inclusive o curso era outro da área médica e eles do curso de Pedagogia. Estava criado o problema. No dia seguinte passou um e-mail para seus clientes pedindo desculpas e se colocando à disposição para compensar o mal estar ocorrido.

O mercado de trabalho está cheio destes "cerimonialistas" o que compromete todos os realmente profissionais, incluindo os que estão concluindo um curso de MBA em Cerimonial, Protocolo e Eventos Institucionais, estes sim, os verdadeiros profissionais em eventos.

Para o cliente menos avisado ou desconhecedor da real importência do cerimonial e do cerimonialista, o preço dos serviços terá maior relevância em detrimento da qualidade do profissional que executará o mesmo. Preço não é sinônimo de qualidade e no final, com um trabalho mal feito, não será somente a imagem do cerimonialista que estará arranhada - a da instituição que o contratou também e consertar esta imagem não é de um dia para outro, isso leva tempo, muito tempo.

Todos querem o melhor para seu evento, então contratem os mehores cerimonialistas pois terão segurança e destaque que a instituição merece.

Um comentário: